Planeta Atlântida aposta em conteúdos especiais para celebrar 25 anos de histórias | Grupo RBS
Banner Interno

Relações com Imprensa

Planeta Atlântida aposta em conteúdos especiais para celebrar 25 anos de histórias

Programação inédita irá ao ar a partir desta sexta-feira (5) para manter o festival próximo do público mesmo em um ano atípico

Anúncio 25 anos de histórias. Crédito: Divulgação.

Anúncio 25 anos de histórias. Crédito: Divulgação.

Já é tradição: todo ano, em fevereiro, os planetários se encontram na Saba, em Atlântida, para curtir o maior evento de música do sul do Brasil. Em 2021, a pandemia causada pelo coronavírus fez com que os shows, os abraços e a vibe do Planeta Atlântida fossem adiados, priorizando o bem-estar de todos aqueles que fazem o evento acontecer: plateia e equipes. Mas nem isso impediu o festival de se manter próximo ao público, mesmo neste ano atípico: no mês em que comemora 25 anos de histórias, o Planeta Atlântida preparou uma série de conteúdos especiais para levar essa festa para a casa de todos os gaúchos.
– Anualmente, milhares de planetários se deslocam de seus lares rumo ao litoral gaúcho para viver as emoções do maior festival de música do sul do país. Desta vez, ao completar 25 anos de histórias, o Planeta é que vai levar um pouco da energia e da vibração do festival para a casa dos planetários. É a nossa forma de curtir o verão junto do público, como sempre fizemos, levando nosso evento para todo o nosso Estado – destaca o diretor-executivo de Marketing do Grupo RBS, Marcelo Leite.
Para seguir curtindo o verão junto dos planetários, como é feito desde que o Planeta Atlântida foi criado, em 1996, o festival terá conteúdos nos seus canais digitais e nos veículos do Grupo RBS, com histórias do evento, bastidores, entrevistas com artistas, dados sobre seu impacto na sociedade gaúcha e relevância para os planetários e, ainda, trechos dos shows mais inesquecíveis.
Na Atlântida e na RBS TV, o público poderá relembrar os 25 anos de histórias ao longo de três sábados, nos dias 6, 13 e 20 de fevereiro. Na rádio, será possível acompanhar, das 17h às 18h, um programa especial no formato talk (modalidade em que uma pessoa ou um grupo abordam vários tópicos que são sugeridos por um ou mais apresentadores), com trechos de apresentações que marcaram o festival. O programa será apresentado pelo comunicador Alexandre Fetter e contará com a presença de Rodaika, Rafinha, Lelê Bortholacci e Luciano Potter, além de participações especiais de Neto Fagundes e Porã e depoimentos de artistas.
Na RBS TV, um quadro será dedicado ao tema, relembrando a história e alguns dos momentos mais marcantes do Planeta Atlântida e expectativas para o que está por vir, oferecendo emoção e nostalgia, mas também visão de futuro. Assim como na Atlântida, a apresentação ficará por conta de três comunicadores conhecidos do público e com relação direta ao festival: Alexandre Fetter, Rodaika e Luciano Potter. A atração prevê, ainda, depoimentos de artistas e participação do público por meio da hashtag #Planeta25anos.
Os 25 anos de histórias do Planeta Atlântida também serão pauta de um flip especial que estará disponível em GZH a partir desta sexta-feira (5), com doze páginas dedicadas ao evento. No material, o público poderá ficar por dentro de histórias de bastidores, rankings envolvendo os artistas e seus hits, os impactos econômicos por trás do festival e muito mais. Ao longo de fevereiro, conteúdos sobre o Planeta Atlântida serão desdobrados em matérias em GZH e no site do G1, além de conteúdos em Zero Hora e Diário Gaúcho.
Já os planetários que acompanham o Planeta Atlântida por meio dos canais digitais terão acesso a especiais dos shows e entrevistas em vídeo e também formatos interativos – enquetes, templates e quizzes – sobre a história do Planeta e de edições passadas, além de um vídeo resgatando os melhores momentos desses 25 anos e posts de expectativa para a próxima edição.
O Planeta Atlântida já começou em clima de festa. A ideia do festival surgiu entre um grupo de amigos, formado pelo executivo do Grupo RBS, Renato Sirotsky (1959-2008), e os três sócios da DC Set Group, Cicão Chies, Dody Sirena e Eugênio Corrêa. Juntos, eles criaram o megaevento, que saiu do papel em 1996, como uma forma de festejar os 20 anos de aniversário da Rádio Atlântida. Hoje, o Planeta é o maior festival de música do sul do Brasil e já atraiu mais de 2,2 milhões de pessoas para o evento. Foram mais de 800 horas de música e apresentações de mais de 1,3 mil atrações.
Ao longo da história do festival, grandes nomes da música brasileira, como Mamonas Assassinas, Tim Maia, Ivete Sangalo, Lulu Santos, Titãs, O Rappa e Charlie Brown Jr., pisaram nos palcos do Planeta, que também contaram com diversas atrações internacionais, entre elas Flo Rida, Taio Cruz, Sean Kingston The Offspring, Ne-Yo e Kesha. Outra característica marcante do evento é o de lançar grandes nomes da música nacional, atuando como espaço relevante para a divulgação da música produzida no Rio Grande do Sul e projetando-a nacionalmente, como Cachorro Grande, Armandinho e Papas da Língua.
– O Planeta Atlântida tem um impacto grandioso no Rio Grande do Sul, que não é só econômico, mas também sociocultural. Ele foi o primeiro festival multiatrativo a ser realizado no Brasil, reunindo as mais diferentes experiências em um mesmo lugar. É um projeto que está na memória do Rio Grande do Sul há 25 anos e que permanece no nosso coração – afirma Cicão Chies, sócio da DC Set Group e um dos criadores do Planeta Atlântida.
Mas o impacto do Planeta Atlântida para o Rio Grande do Sul vai além da música: segundo estudo realizado pelo PUCRS em 2020, para cada 1 real gasto na realização do evento, gera-se 1 real a mais para a economia gaúcha, totalizando um impacto de R$ 119,7 milhões injetados no estado. Além disso, contribui para a ampliação de empregos na região durante a realização do evento e estimula setores indiretamente envolvidos.