Gaúcha leva ao ar cerca de 100 entrevistas por semana e reforça seu compromisso histórico com os gaúchos | Grupo RBS
Banner Interno

Relações com Imprensa

Gaúcha leva ao ar cerca de 100 entrevistas por semana e reforça seu compromisso histórico com os gaúchos

Comunicadores têm ouvido fontes especializadas sobre diversos temas relacionados à pandemia do coronavírus

Rádio Gaúcha. Crédito: Marcelo Casagrande.

Rádio Gaúcha. Crédito: Marcelo Casagrande.

Entregar diariamente notícias em tempo real, coberturas, entrevistas e debates, buscando informar, com agilidade e qualidade, tudo aquilo que é de interesse do público está no DNA da Rádio Gaúcha há 93 anos. Em momentos como o que estamos vivendo, marcado pela crise do coronavírus, esse trabalho é ainda mais relevante para a sociedade. Por isso, nas últimas semanas, a emissora não tem medido esforços para deixar o púbico por dentro de todas as atualizações sobre a covid-19. Como resultado, cerca de 100 entrevistas são realizadas semanalmente pela rádio, levando ao público fontes especializadas e revelando vários recortes sobre um mesmo assunto.

As entrevistas têm se destacado durante a crise pela escolha de fontes que, sob diferentes perspectivas, analisam, opinam e ajudam a entender o contexto. Entre os entrevistados, estão nomes como Fernando Henrique Cardoso e Fernando Collor de Melo, ex-presidentes do Brasil; Marco Aurélio Mello e Luís Roberto Barroso, ministros do Supremo Tribunal Federal; Eduardo Leite, João Doria e Wilson Miranda Lima, governadores do Rio Grande do Sul, de São Paulo e do Amazonas, respectivamente; e Nelson Marchezan Júnior e Arthur Virgílio Neto, prefeitos de Porto Alegre e de Manaus, nessa ordem; e o advogado do presidente Jair Bolsonaro, Frederick Wassef.

Ainda em abril, o ex-juiz Sergio Moro concedeu à Gaúcha uma de suas últimas entrevistas enquanto Ministro da Justiça, no programa Gaúcha Atualidade. Empresários como o presidente do grupo Ipiranga, Marcelo Araújo, e o presidente do conselho de administração da Lojas Renner, José Galló, também têm participado dos programas da rádio para contar aos ouvintes como a iniciativa privada está olhando para a pandemia.

– Isso é fruto do trabalho de produção da Gaúcha para conseguir as melhores fontes e explicações. O retorno da audiência demonstra a relevância da informação e das análises por diferentes pontos de vista para que o ouvinte forme a sua opinião. Além disso, queremos ser uma boa companhia, tratando dos assuntos sérios e necessários, mas equilibrando com conversas mais leves e que mantenham o otimismo mesmo neste momento difícil na saúde e na economia do país – destaca a editora-chefe da Gaúcha, Andressa Xavier.

Também por meio das entrevistas, a Gaúcha tem buscado entregar ao público momentos de leveza a partir de histórias inspiradoras e assuntos positivos. É o caso das conversas com personalidades do mundo do esporte, como Dunga, Falcão e Galvão Bueno, e a entrevista com o cartunista Maurício de Souza, tão logo foram divulgados os quadrinhos do personagem Cascão lavando as mãos. Da mesma forma, histórias de superação também são seguidamente contadas pela rádio, como é o caso de Silza Tramontina, médica de 65 anos e primeira paciente grave do Hospital Moinhos de Vento a se curar do coronavírus.

Entrevistas como essas, acompanhadas de um time de peso de comunicadores, tornam a Gaúcha companhia frequente dos gaúchos – estejam eles em casa, no carro, no trabalho, aonde for. Prova disso é que, em abril, a emissora conquistou o marco de 61 meses consecutivos como líder no meio rádio na Grande Porto Alegre. Além disso, na pesquisa da Kantar IBOPE na Grande Porto Alegre do trimestre fechado em março, o share da Gaúcha chega a 29%¹ no início da manhã, indicando que praticamente três em cada 10 pessoas ouvindo rádio na região estão sintonizadas na emissora.